"Tenho uma paixão por sapatos: de couro, sintéticos, sapatenis não importa qual seja. O odor, a textura, o tamanho e sua aparência despertam muito desejos. Para saciar-me, eu "cato" sapatos, de modo que ninguém perceba esse meu fetiche escondido. Os sapatos variam de mocassins até a sapatenis de marcas conhecidas como ferracini e democrata. Os mais sociais são os meus preferidos devido ao formato
e ao cheiro que exalam."

(P. dos Santos, 33 anos, ES)







O pé do homem brasileiro está crescendo. Revelou um levantamento feito no ano passado pelo Departamento e Traumatologia da Faculdadede medicina da Universidade de São Paulo (USP). Há vinte anos, o brasileiro calçava entre 38 e 40. Atualmente a média varia entre 40 e 42. Esse fato é decorrente, de uma melhoria na alimentação, que levou a um crescimento da altura média da população e consequentemente num aumento no tamanho dos pés, pois, eles são a base de sustentação do corpo. Uma empresa fabricante de calçados, a Beira Rio, que produz 120 000 pares por dia, realizou uma pesquisa para conhecer melhor o formato do pé do homem brasileiro. E chegou a conclusão de que ele é mais curto e mais cheinho que o pé dos europeus e americanos.

E a numeração? A padronização da numeração do sapato é de origem inglesa. A primeira referência conhecida da manufatura do calçado na Inglaterra é de 1642 quando Thomas Pendleton forneceu 4.000 pares de sapatos e 600 pares de botas para o exército. As campanhas militares desta época iniciaram uma demanda substancial por botas e sapatos. No século XIX, começam a ser incorporadas máquinas para auxiliar na confecção dos calçados. Com o advento da máquina de costura (Walter Hunt, de Elias Howe e de Isaac Merrit Singer) a produção do sapato cresceu e seu custo barateou. Logo surgiram máquinas especializadas, o que revolucionou a indústria de calçados. O sapato passou a ser mais acessível. A partir da quarta década do século XX, o couro começou a ser trocado pela borracha e pelos materiais sintéticos, principalmente nos calçados femininos e infantis.

E como se calcula o número do sapato?
A regra:

f (n) = (5n + 28)/4

dá o número do sapato, f (n), de uma pessoa em função do comprimento (em centímetros), n , de seu pé. Por exemplo, se seu pé mede 25 cm, então o número do "seu sapato" é f (25) = (5 x 25 + 28)/4 = (125 + 28)/4 = 153/4 , que é aproximadamente igual a 38,22. Neste caso, o número do seu sapato é 38.
Por outro lado:

g(m) = (4m - 28)/5

dá o comprimento (em centímetros) aproximado do seu pé em função do número m do seu sapato. Por exemplo, uma pessoa que calça 39, tem um pé que mede, aproximadamente, 25,6 cm, pois g(39) = (4 x 39 - 28)/5 = (156 - 28)/5 = 128/5 = 25,6.

Veja a TABELA DOS NÚMEROS DE SAPATO BRASILEIRO, EUROPEU E NORTE-AMERICANO. Segundo Leonardo Da Vinci cada indivíduo mede aproximadamente sete vezes o comprimento do próprio pé em centímetros. Será verdade? Pegue papel e caneta e faça seus cálculos!

Porque os sapatos dos homens, na maioria das vezes, são fechados e os das mulheres são abertos, devassados? Por que alguns, em tiras, enroscam-se nos pés, enleiam-se nas pernas como serpentes? Porque algumas botas femininas vestem pés e pernas como camisinhas vestem glande e haste? É que são homens que desenham os sapatos, são eles que querem vê-las repetir simbolicamente o gesto das alcovas, ou querem desnudá-las ou escalar suas pernas. Essa mesma simbologia, está presente nas botas de bico fino dos cowboys(que sugere um pênis mais longo), ou nos sapatos sociais mais atuais, de bico mais grosso(que sugere um desenho peniano igualmente mais grosso).

COMO USAR?

Os sapatos masculinos sinalizam o estilo e o bom gosto de quem os calça. Devem estar sempre limpos, engraxados e, é claro, combinando com a roupa. (Atenção!)

- O homem deve calçar somente sapatos pretos ou marrons no trabalho e em eventos sociais. No final de semana ou nas férias, o modelo dock sider e o tênis dão conta do recado. Esqueça os calçados cinzas e marinhos mesmo que sejam de cromo alemão. Se você acha que sempre deve combinar o sapato com o terno, saiba que o efeito vai ser mais para a fantasia do que para a elegância.

- Os ternos azul-marinho, grafite, cinza e preto pedem sapatos pretos. Já os marrom, verde-oliva, cáqui, bege e nas variações dessas cores, exigem calçados marrons.- Um sapato no tom castor, mais esportivo, cai bem com blazer marinho e calça bege. Lembre-se: o cinto deve ser do mesmo tom do calçado.- O Tênis, o dock sider e os sapatos esportivos não combinam com ternos. Use-os com jeans e roupas descontraídas ou em ocasiões realmente informais.

- Os sapatos bicolores são tentações que devem ser resistidas. É preciso ter muita personalidade para saber combiná-los com a roupa.

- As meias são fundamentais para obter-se um acabamento perfeito. Elas devem ser de um tom intermediário entre a calça e o sapato ou iguais. Portanto se a calça for preta, marinho, grafite ou cinza, vista meias pretas ou grafites; se for marrom, bege ou castor, coloque meias marrons ou beges. Roupas sociais ficam melhor com meias escuras. Tanto de terno como de jeans, esqueça as meias brancas.

- Os sapatos brancos podem ser esquecidos. São difíceis de combinar e só mesmo os profissionais de saúde têm realmente necessidade deles. O mesmo vale para os calçados masculinos de verniz. A não ser que você seja maestro e queira impressionar no palco!


Fontes:


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -